RSS Feed

Trecho de A verdade será revelada - Os livros de Esteros.

Posted by Aldemir Alves

Oi Pessoal, 

Sei que "As crônicas de Fedors - A verdade será revelada Volume 3" está demorando muito para sair, mas não se preocupem, ele vai sair! Meu tempo tem se tornado cada vez menor depois que eu me decidi pela carreira de editor! A coisa ficou séria e as publicações da Selo Jovem estão a mil! Devido a tanta correria, eu escrevo somente nos finais de semanas, porém, como eu venho dizendo há alguns anos: vou fechar a trilogia! E assim que possível, voltar a criar tramas paralelas sobre o Mundo de Esteros.

Para vocês não ficarem órfãos de novidades, segue um trecho inicial do livro:




Passaram-se duas noites e dois dias...

Fedors a cada dia aprecia mais a presença de Salazar. O diálogo entre os dois amigos segue em ritmo impressionante. Os acontecimentos na família Destrus foram lamentáveis, obviamente esse foi o último comentário proferido pelo viajante sem destino. Pela terceira vez a lua ecoa ao horizonte, os pernilongos e demais mosquitos sanguessugas voam desorientados pelo forte cheiro, expelido pelo cachimbo de Fedors. Salazar estava nesse momento há vinte e uma horas sem dormir, as olheiras sob seus olhos eram visíveis.
Percebendo a exaustão do amigo, Fedors dispensa-o para que descanse um pouco:
— Por hora sugiro que descanse um pouco, meu amigo. Assim que saciar suas necessidades voltarei a lhe contar a minha história.
Salazar bocejou em seguida se deitou, esticando as pernas.
— Sim, realmente! Nas últimas horas me perdi em suas palavras, receio que me esqueci das minhas necessidades mortais. — Responde, exibindo cansaço.
Fedors focou seu olhar sob Salazar, rangeu a testa, intrigado, perguntou: — Não deixei de notar o modo em que se refere à vida “mortal” por acaso sente-se mal sendo um simples homem? — Pergunta Fedors, perturbado com o modo em que Salazar se refere as suas necessidades diárias.
Salazar Sorriu.
— Perdoe-me mais uma vez por minhas palavras um tanto desatentas. Talvez seja o sono que está me deixando desorientado? — Agora Salazar estava deitado de frente, com os olhos fixados no céu, apreciava as estrelas.
Fedors percebe nesse instante que Salazar se distraiu e parecia não dar mais atenção as suas palavras. Pausando a conversa, levou sua mão direita até o bolso, retirou mais um punhado de fumo e abasteceu o cachimbo, logo em seguida respondeu: — Talvez sim... Ou talvez, esconda alguma coisa sobre o seu passado e queira dividir comigo? — Nesse momento Fedor volta a focar seu olhar em direção a Salazar, de algum modo, desconfiava que o viajante escondesse algo sobre sua origem.
— Não... — respondeu-lhe Salazar, sem olhar em seus olhos.
— Não? O que quer dizer com “Não” — pergunta Fedors, secamente.
Salazar virou o rosto em direção a Fedors e voltou a sorrir, com os olhos pequenos de tanto sono, respondeu: — Não tenho nada a contar-lhe sobre mim que já não saiba. Sou apenas um viajante que deseja mais uma noite em sua companhia. Dormirei por algumas horas e assim que restabelecer as minhas energias voltarei a apreciar sua história. Desejo ouvi-la até o final, mesmo que seja lamentável! — Afirmou Salazar, quase que fechando os olhos de tanto sono.
Fedors exibiu feição de surpreso, desta vez respondeu em voz alta, e muito rapidamente: — Lamentável?! Mas, ainda nem terminei de contá-la a você, como presume que seja lamentável?
Salazar adormeceu e nem sequer ouviu as últimas frases de Fedors, que o contemplou por alguns minutos. Levantando-se caminhou em sua direção e movendo suas mãos tocou-o, deixando o corpo de Salazar descansar sobre o tronco da árvore. Virando-se retirou um lençol e forrou sobre a grama que pisava. Apalpou novamente o corpo adormecido de Salazar, chacoalhou a cabeça em sentido horário e contrário, parecia confuso. Mas deitou-o sobre o lençol e deixou-o repousar.
E Fedors continuou a fumar o seu enorme cachimbo prateado, em seus pensamentos imaginava quem poderia ser aquele homem, alguém que seguia fissurado em sua história. Uma pessoa especial que doou a ele todo o seu tempo e nem sequer se amedrontou com a forma horrível e desfigurada em que se encontrava. Já não mais importa quem seja ele, agora Fedors o acolheu como amigo...

                                                                          ***

No outro dia muito cedo, exatamente às seis horas da manhã, Salazar desperta de mais uma tranquila noite de sono. Erguendo seus braços ao alto boceja abrindo aos pouco os olhos, no entanto contempla Fedors sentado no mesmo local de sempre.
— Bom dia! – Disse Fedors ao seu amigo de prosa.
— Bom dia, digo eu – responde Salazar com um enorme sorriso de otimismo.
— Teve um bom sono?
— Tive, sonhei que estava em um lugar formidável e a grama era esplêndida, as pessoas eram doces e prestativas. Os animais pastavam em pastos fartos, haviam crianças sorrindo por todos os lados. Quando finalmente estava convencido que aquilo era real, acordei. – Responde Salazar viajando em seus pensamentos.
— Sonhar... Isso é o que mais me faz falta depois da imortalidade. Eu daria tudo para poder voltar a sonhar. Sentir meu coração pulsar e o sangue quente percorrer minhas veias, sentir mais uma vez fome e poder saciá-la, eu daria tudo por isso! — Voltou a ficar triste.
— Nem tudo pode ser pra sempre, meu amigo, nem mesmo a imortalidade. Acredite na superação que um dia poderá voltar a contemplar a felicidade. — Responde Salazar desejando novamente o sorriso de Fedors.
— Não... mas no meu caso não há mais solução. Eu barganhei a minha alma ao próprio demônio, tenho certeza de que ele não voltara atrás na sua aquisição. — Fedors após responder essas palavras, nota um líquido avermelhado escorrendo de seus olhos enrugados, que segue até a face descomposta.
Naquele momento não existiria palavras para consolá-lo, a sua tristeza era aparente. Agora Salazar teria que escolher muito bem suas próximas palavras. “Mas como esse homem de aparência tão pavorosa pode ter um coração tão puro”?- pensou Salazar. Estava surpreso, e ao mesmo tempo triste com aquela situação.
— Por favor, não chore... Por acaso poderia voltar a narrar sua história? — Sussurrou Salazar com o coração em pedaços, afinal era incrível poder ver aquela criatura de aparência tão monstruosa, derreter-se daquela maneira.
Fedors levou vagarosamente seus dedos esqueléticos até suas olheiras, secou suas lágrimas:
— Desculpe-me pela minha recaída, pois me perdi em minhas tristes lembranças. Voltarei a narrar minha jornada, mas preste muita atenção, porque a partir de agora muitas coisas serão reveladas...

A posse do ditador - Nicolás Maduro toma posse para segundo mandato como presidente da Venezuela

Posted by Aldemir Alves



O ditador Nicolás Maduro toma posse para seu segundo mandato como presidente da Venezuela.


Bom dia, boa tarde, boa noite! Ultimamente tenho me interessado por diversos assuntos e devido a isso, estarei postando no meu Blog Oficial (não somente notícias sobre literatura e cultura), mas também críticas sobre política e os acontecimentos que são de interesse dos Brasileiros. Eu sempre tive em mim a veia do blogueiro e a vontade de falar sobre qualquer assunto, embora falte tempo por conta da minha correria no trabalho, há quase 10 anos sou blogueiro e escritor e venho abordando apenas assuntos sobre Cultura e literatura em minhas redes sociais. No entanto, daqui para frente, pretendo aparecer por aqui mensalmente por pelo menos 4 vezes para dar as minhas opiniões sobre tudo o que me interessa. Caso você se identifique com as minhas opiniões, apareça sempre por aqui!

Logo de início vou ser bem claro: "Nicólas Maduro, em minha opinião, não passa de um Ditador cruel e oportunista, um narcisista".

O Ditador é tão confiante que em plena posse é capaz de dizer que a Venezuela é hoje o centro da resistência contra os EUA e faz constantes ameaças contra o presidente Trump. Por outro lado, os Estados Unidos, Canadá, União Europeia (UE) e vários países latino-americanos afirmam que a eleição não é justa, nem transparente, e acusam Maduro de sufocar a democracia. Até mesmo o nosso Presidente Jair Bolsonaro vem recebendo ofensivas do ditador Chavista.   
 



Um País destinado ao caos e sofrimento:

O fato é que, uma nova era de sofrimento é anunciada para nossos irmãos Venezuelanos, pois Nicolás Maduro tomou posse Ontem dia 10/01/2019 e deve reinar por mais 6 anos.

Quem acompanha a situação na Venezuela sabe que o povo está sofrendo desde a ascensão ditatorial do Presidente Venezuelano que transformou a economia daquele País numa piada mundial! Antes estável e bem sucedido, rico em petróleo, grande produtor de combustíveis, o País se tornou em alguns anos a casa de um povo faminto, uma população miserável que vem fugindo da pobreza extrema nos últimos anos.  Segundo o Globo, em fevereiro de 2018 uma pesquisa mostrou que nove em cada dez venezuelanos viviam abaixo da linha da pobreza, e mais da metade estava no patamar da pobreza extrema. 

No entanto, Maduro diz ser um "presidente democrático" e "vítima" dos Estados Unidos e a "guerra econômica da direita", à qual culpa pela hiperinflação e falta de comida. E promete prosperidade. "A economia que existe hoje não nos serve porque foi infectada de neoliberalismo", disse o governante, que alega não ser um "novato" como em 2013. 

A Besta Petista!

O PT como sempre continua apoiando as maiores ditaduras mundiais e Gleisi Hoffman, a besta Petista, fez sua aparição na posse, aplaudindo e se derretendo ontem na Venezuela com a posse fraudulenta do ditador Nicolás Maduro. O mesmo facínora que manda prender, torturar e matar seus opositores. Bem à exemplo dos asseclas de seu partido vermelho no Brasil. (Fonte do Vídeo canal Visão panorâmica).
 



Metas e panos para 2019

Posted by Aldemir Alves


Planos e metas para 2019... 

Pois é pessoal, ser escritor no Brasil é realmente difícil, de fato, alguns amigos e leitores estão me cobrando; porque segundo eles estou há muito tempo parado no volume 3 de Os livros de Esteros.

É verdade, são mais de 2 anos escrevendo... 

O pessoal pergunta se perdi o tesão pela escrita hehehe, se não vou publicar outros trabalhos e terminar os projetos em andamento. Bom pessoal, a questão não é perder a vontade de escrever. O fato é que nos últimos anos me tornei muito mais editor do que um escritor. Afinal de contas, eu preciso pagar os boletos e a carreira de Editor é promissora e dá frutos, já ser apenas escritor no Brasil ainda não é algo que pague as contas. 

É complicado abordar esse assunto aqui no blog, nesse post,  mas eu venho falando sobre isso há anos: é só vasculhar os posts... por outro lado, no entanto, eu tenho minhas metas e pretendo um dia me dedicar apenas a escrita. Hoje tenho 37 anos e escrevo há pelo menos 10 anos profissionalmente.

Embora ser escritor seja algo que eu levo a sério, como profissão, ainda não tornei isso uma fonte de renda. Eu sou empresário na área de informática e varejo desde os 18 anos e para me manter além de meus livros, eu vendo produtos de informática, games, insumos gráficos, papel, etc. Ter apenas uma profissão no Brasil é complicado, é preciso complementar a renda. E além de editor, eu também sou o proprietário da Editora Selo Jovem e Selo Talentos junto a minha esposa, Rita. 

Eu já disse para meus autores uma vez que pretendo trabalhar mais uns 10 anos nesse ramo e depois aposentar, comprar uma casa na praia e viver de escrita até morrer hehehe...

Mas apesar das dificuldades em ser autor estive fazendo as contas e 2018 foi o ano em que eu mais vendi e autografei meus livros diretamente para leitores! Passei de 600 unidades vendidas só de impressos contando todas as vendas de todos os meus livros escritos. Só na Bienal eu vendi em média 300 unidades, levei entre 100 e 40 de títulos variados, entre Os livros de Esteros e Sobreviventes e não sobrou nada em estoque! 

No primeiro ano de publicação eu imprimi 1000 unidades de Esteros volume 1, no entanto dei metade de graça para parceiros e amigos, então não conta como vendas. 

Em 2019 eu não sei se vou chegar perto disso, pois não confirmamos presença na Bienal do Rio 2019, os valores de participação no evento estão pesados e ainda há muitas incertezas quanto a economia no País, no entanto vou terminar a trilogia de Esteros e pretendo adiantar o volume 2 de O portal de Oriun - Os filhos de Egoz quem sabe sai ainda esse ano?

Eu acredito que o caminho é o otimismo pessoal, reviver as redes socais, divulgar bastante e continuar na luta! Vejo muitas pessoas reclamando por aí e sendo pessimistas com o novo governo, mas eu não vejo assim, acredito que o Brasil vai crescer muito economicamente e quem manter o otimismo e não desanimar vai continuar crescendo. É isso, estarei postando mais no meu blog, espero que muitos livros passem por minhas mãos esse ano, tanto na carreira de escritor, quanto na de Editor! 

Abraços literários!!!

Esteros livro digital