RSS Feed

Novidades sobre a nova edição de Os livros de Esteros. Leiam prefácio e saibam tudo sobre o livro.

Posted by Aldemir Alves da Silva





Boa tarde, leitores!

Para quem está curioso quanto a nova edição de Os livros de esteros, venho avisar que terminei o manuscrito e já está nas mãos da revisora. O livro antes com 190 páginas agora terá mais do que 350, com a mesma história, entretanto, com grandes melhorias nas partes dos diálogos e caracterização do mundo e personagens. A minha deficiência na primeira edição foi na parte dos diálogos, os leitores reclamavam de poucas falas e falta de frases criativas. 

Para esse novo livro, eu revi tudo, usei muitas coisas novas que aprendi nos meus mais recentes trabalhos, usei técnicas dos sinônimos, pesquisei muita coisa no Google sobre batalhas medievais, costumes antigos, armaduras e construções. As batalhas cresceram em tamanho e detalhes; criei combates que ultrapassam 10 páginas de muita ação e estratégicas. No primeiro livro evitei derramamento de sangue e cabeças cortadas, mas descobri que para criar um livro medieval não se pode ignorar as mortes e retaliações, então caros; aqui vocês verão muitas cabeças cortadas e membros dilacerados, acredito que dei nova vida e fôlego ao livro quando optei por deixá-lo mais “realista”.

Escrevo desde 2011 e somente agora tenho uma melhor visão das minhas limitações e falhas, escritores estão sempre aprendendo e muitos costumam se ofender com criticas e dicas, eu era assim, mas agora estou usando as criticas ao meu favor. Sei que nunca conseguirei agradar a todos, afinal, gosto não se discute, mas de fato, faltava muita coisa nesse livro para torná-lo realmente bom... 

O novo livro entrara em pré-venda em breve na livraria da selo jovem, a revisão está sendo feita com muito carinho e dedicação, os erros não passarão mais nessa edição, prometo aos meus leitores que esse será um trabalho excelente e que vai conquistar muitos leitores em 2014.


Algumas frases do livro:



“Ninguém nasce ruim, são as atitudes das outras pessoas que os transformam”.
Aldemir Alves.

Ninguém vira um "psicopata" do nada, nenhuma mente de vilão é formada sem passar por muito sofrimento e rejeição da sociedade.
A sociedade cria seus próprios vilões e depois querem simplesmente "eliminá-los".
Essa é uma realidade que a sociedade prefere ignorar.


Descobri que as pessoas querem saber mais dessa história, criticam-na porque desejam viver mais nesse mundo, anseiam por mais batalhas, querem emoção, exigem tudo o que esses personagens têm a oferecer.
Conheço minhas limitações, mas sei que tenho potencial para criar um livro de qualidade e posso agradar até mesmo o leitor mais crítico.

 “Literatura é questão de momento, para escrever algo épico o escritor precisa estar em um momento épico”
 Aldemir Alves da Silva



Prefácio


As crônicas de Fedors é uma série que retrata as lembranças do personagem “Fedors”. Um homem cujos caminhos o tornaram um moribundo. Sim, um morto – vivo. Para quem não sabe, morto - vivo é uma pessoa caminhando sem vida, um ser apodrecido, que ainda sustenta uma alma.

A história de Fedors se inicia há alguns anos antes, ele já fora um mortal e pelo que conta em sua primeira crônica, conhece bem o mundo de Esteros e seus povos. A sua morte foi causada por algum fato trágico que o faz sofrer por lembranças confusas e arrependimentos do passado. Fedors estava desacreditado. Lançou sua sorte aos ventos e esteve há muito tempo jogado sobre o solo empoeirado, tendo como companhia apenas uma árvore seca e quase sem vida. 

Porém, as esperanças surgem e “Salazar”, um andarilho que trafegava por ali se propõe a escutá-lo. A partir daí surge a história.

Fedors, segue sendo o narrador do livro. Ele contará a Salazar e aos leitores o porquê de seu sofrimento, narrará acontecimentos marcantes ocorridos na família Destrus da qual ele também faz parte. O desfecho desta primeira crônica está prevista para cinco livros, que podem ser adiantados conforme escrevo a história. No momento, em que escrevo este prefácio, tenho prontos, quatro manuscritos sobre a série, aguardando apenas a publicação. Porém, em razão do grande interesse dos leitores pelo livro, pretendo adiantar as publicações ou quem sabe adiantar o processo de publicação do volume completo. Após o desfecho da história planejo partir para grandes contos paralelos sobre “O Mundo de Esteros e seus habitantes”.

O processo de escrita.

Quando criei o primeiro capítulo de Esteros, no ano de 2010, estava muito envolvido no MMORPG, em especial o game Word Of Warcraft. Sempre gostei de temas que envolvem as mitologias, nórdica, celta, egípcia, grega. Os livros que abordam essas mitologias, geralmente foram criados por grandes autores, amantes do puro RPG, que além de se inspirarem em algo já existente, inovaram e conseguiram passar a sua própria essência para os seus livros, criando linguagens próprias. 

Inspirados nessas mitologias, grandes nomes surgiram ao longo dos anos, J.R.R. Tolkien com o seu perfeito “O senhor dos Anéis”; C.S. Lewis com “As Crônicas de Nárnia”, dentre outros grandes nomes da literatura mundial. Esse seguimento só enriquece a literatura fantástica, oferecendo aos nossos leitores livros magníficos e inspiradores. 

Ser fã dos personagens mitológicos, especialmente de orcs, elfos, anões, gnomos, fadas me fez desejar criar a minha própria história nesse gênero. Criando personagens a meu modo, com crenças e costumes particulares para Esteros, dei vida a novas raças e povos também. A mitologia esteriana se constrói ainda na infância da humanidade. Tudo começa após a traição dos anjos ao seu Deus Supremo. Essa traição desencadeia a destruição do primeiro paraíso, recriando o céu e inferno, juntamente os novos mundos e planetas.

A criação da mitologia esteriana é baseada em fatos fictícios e científicos relacionados ao universo, e também aos seres vivos em geral. É claro que essa teoria recusa a aceitação de um Criador. Devemos, porém, destacar o fato de que a teoria do big-bang é, na verdade, uma consequência de outra teoria: a teoria do universo em expansão. Para deixar a mitologia mais realista inseri um Deus sobre ela, juntei todo o meu conhecimento religioso e teórico e acabei criando algo, “inovador” mesmo utilizando algo antes explorado.

Quando o grande paraíso se tornou um lugar de prostituição e desordem, o Criador pôs fim em toda a sua criação. No entanto, por amar intensamente os seus filhos, salvou os puros, “as crianças”. Os Deuses da mitologia esteriana ganham vida após esse episódio. São trinta deuses espalhados por todos os universos, cada qual com o seu legado: cuidar das vidas designadas a si. Seguindo essa teoria do big – bang, deixo a imaginação do leitor fluir, de modo que isso relacione outros “mundos” aos esterianos. Talvez o nosso mundo possa fazer parte da mesma galáxia de Esteros. Isso é perfeito, porque poderei um dia inserir os seres humanos em meio à trama do livro.

A mitologia esteriana narra os primeiros confrontos entre os deuses dominadores dos mundos habitáveis, e a primeira discórdia entre Nazebur e os seus irmãos. Tudo ocorre nesse início de trama, nascendo em seguida o céu e o inferno. Nazebur tem como meta destruir a vida nos mundos existentes no universo, a sua missão é corromper as almas mortais e promover a maldade sobre esses indivíduos. Com ajuda dos próprios mortais ele pretende dizimar a vida nos planetas, extinguindo todos os seres vivos e aproveitando as suas almas, para transformá-los em soldados imortais. Criaturas conhecidas como Asmectros. 

Essas criaturas possuem passe livre e podem caminhar sobre os mundos paralelos, se fortificar e evoluir nos corpos mortais, como larvas em um hospedeiro. Elas possuem as almas mortais até conseguirem absorver toda a energia vital do indivíduo. Quando finalmente conquista o controle absoluto se desenvolvem por completo, tornando-se uma criatura extremamente poderosa. Nazebur trama reunir milhares de Asmectros ao seu lado, e consequentemente usá-los contra os demais deuses. E finalmente alcançando esse objetivo, ele se levantará contra os demais e se tornará o ser Supremo de todos os planetas. 

O foco da história se passa especialmente sobre a família Destrus, eles são os mais antigos e conceituados reis de Naires, foram eles que selaram a paz, após derrotarem o maior vilão que Esteros já conheceu, o orc Nalefis Ônus.

 Desde a época de Lord Marcarus Destrus, que é pai de Mussafar Destrus e matador do Orc Nalefis, O continente Naires é tomado pela paz e confraternização entre as espécies. Porém, as guerras antigas de cem anos atrás, travadas pelo rei Mancarus ainda marcam os povos, que temem o seu retorno.

Em meio à trama existe uso de criaturas que podem ser invocadas nas batalhas, essas criaturas serão prêmios ganhos após o dominador (a) possuir as pedras espirituais. Essas pedras após serem invocadas, darão vida a diversas criaturas, porém a índole da criatura invocada será comparada a de seu dominador. Um vilão quando executar a invocação terá a seu lado um monstro de propriedade maligna, um morto - vivo, demônio alado, dragão, etc. 

Já uma pessoa praticante do bem poderá dar vida a um ser de luz como, Anjo, montaria alada, “Pegasus”, fada, Minotauro. Após o manipulador dar vida às criaturas, ganhará um anel que será colocado em seu dedo, esse anel jamais poderá se separar do seu dominador, a não ser que o mesmo seja destruído em batalha.

Nota do autor

PARA UM MELHOR ENTENDIMENTO DESSA TRAMA, SUGIRO QUE O LEITOR LEIA PRIMEIRO “a mitologia Esteriana” que se encontra no final deste livro. A parte mitológica narra a descendência divina dos povos aqui apresentados e explica de forma clara como surgiram os deuses e os planetas apresentado na história. As mudanças aplicadas nessa nova edição foram editadas no intuito de poder melhorar a leitura. Muitas delas baseadas nas visões de alguns críticos literários que apontaram erros e acertos em meio a narrativa. As principais mudanças que devem ser destacadas são as caracterizações do mundo e personagens.

Mesmo que as críticas tenham me inspirado a melhorar esse livro, sei que há possibilidades de que essa história não agrade a todos, e que alguns ainda possam criticar o modo como ela foi escrita, porém, por outro lado, tenho certeza de que outros irão apreciá-la e se divertir enquanto a leem. É óbvio ainda que algumas pessoas poderão dizer que essa trama não é a mais original na literatura fantástica, ou a mais criativa. Entretanto, esse livro tem conquistado muitos leitores desde a sua primeira publicação. E eu penso que um autor jamais deve criar a sua obra apenas para si próprio, pois isso seria egoísmo. 

Os livros de Esteros teve a sua primeira versão publicada no ano de 2011, num site onde a publicação é gratuita e de forma 100% sob demanda.  Ali provei pela primeira vez a dádiva de ser lido e acompanhei as primeiras críticas dos meus, então, primeiros leitores. Para alguns, o livro era pequeno e com poucos diálogos, para outros era uma leitura agradável e que deixou pontas soltas, que eles ansiavam em descobrir. Eu estava a cada dia mais envolvido nesse projeto, então não parei e continuei criando a história. 

Em 2012, terminei o livro completo em um total de 600 páginas. Quando finalmente fechei a história, com o título de Esteros - O Continente Naires, parti para uma tentativa frustrada de publicação. Enviei esse livro para muitas editoras, entre elas pequenas, médias e grandes. Jamais recebi respostas positivas e as que responderam me cobravam preços absurdos e fora de minha realidade financeira. Foi quando eu estava quase desistindo e voltando para “aquele site”, que recebi uma proposta um pouco mais amigável, a editora me oferecia 300 livros e o valor na época R$ 7.000,00 mil reais. Pensei bem e estava decidido pela publicação a qualquer custo, então pensei em dividir o livro em partes e me auto – publiquei. A partir daí me tornei um autor publicado. 

Porém a simples publicação, sem nenhuma divulgação ou interesse por parte da editora em vender meus livros, me frustrou outra vez. Descobri que embarquei em um navio prestes a naufragar.  “Outra vez, estava num site sob demanda”, porém, agora era pago. Aquela editora não fizera uma revisão decente no meu livro, não se interessava em vendê-lo e não era séria, nem mesmo bem aceita pelo público leitor.

Foi quando me bateu o desespero. Preferi sinceramente quebrar o contrato e retornar ao site sob demanda. Mas antes que eu retornasse, surgiu uma luz no fim do túnel. Uma editora jovem me cedeu uma oportunidade. A Editora Selo Jovem que nasceu com a junção de alguns autores dispostos a se auto – publicarem. A missão era dar vida a um selo editorial, nós mesmos trabalharíamos em nossas obras; cada um assumindo uma função e ajudando um ao outro. A ideia funcionou, e a partir dali consegui publicar sem nenhum custo e os leitores começaram a aparecer... Finalmente estava sendo lido! 

Os livros de Esteros teve a sua publicação oficial no início de 2013. Sendo publicado em partes. Comercializado a um preço justo, principalmente no site da editora, e também na Amazon. O livro vem sendo muito bem aceito pelos leitores de fantasia. Por experiência, eu Aldemir Alves digo a vocês caros autores:  

Invistam em seus sonhos, acreditem que são capazes e jamais desistam quando alguém disser que você não é bom o bastante para fazer isso ou aquilo. Você pode tentar, você deve arriscar, e vai conseguir...
Para os leitores que criticaram o meu livro, para outros que irão criticar, deixo apenas um trecho de um comentário escrito pelo mestre Tolkien que sempre me inspirou.
J.R.R. Tolkien diz em seu prefácio:

 "Algumas pessoas que leram o meu livro, ou que de qualquer forma fizeram uma crítica dele, acharam-no enfadonho, absurdo, ou desprezível. Eu não tenho razão para reclamar, uma vez que tenho opiniões similares a respeito dos trabalhos destas pessoas, ou dos tipos de obras que elas evidentemente preferem. Mas, mesmo do ponto de vista de muitos que gostaram de minha história há muita coisa que deixa a desejar. Talvez não seja possível agradar a todos em todos os pontos, nem desagradar a todos nos mesmos pontos... O leitor mais crítico de todos, eu mesmo, agora encontro muitos defeitos, maiores e menores, mas, infelizmente não tenho a obrigação de criticar o livro ou escrevê-lo novamente, passará sobre eles um silêncio, com exceção de um defeito que foi notado por alguns; o livro é curto demais!”

Então, caros amigos, a resposta de Tolkien para as críticas destrutivas foi bem simples, pois com suas palavras ele disse: “eu vou escrever mais e mais, essa história se tornará enorme e vocês vão ter muito para criticar”. Esse defeito Tolkien resolveu, vejam só o tamanho de sua obra. Inspira ou não?

“Esteros” vai se estender, todos esses primeiros livros serão unificados. Como eu descrevi no primeiro livro, existem CINCO continentes a serem descobertos, é minha obrigação demarcar esse mundo com mapas e escrever sobre todos os demais continentes. 

Por fim, espero que esse prefácio tenha despertado a atenção de vocês para o livro, espero também que essa história possa ensinar a todos que o valor familiar está acima de qualquer coisa. Mesmo que esse livro aborde uma ficção como tema predominante, os argumentos tratados aqui podem ser verídicos, quando aplicados na vida real. O descuido e o desafeto contra um inocente é capaz de mudá-lo pelo resto da vida. A minha mensagem é para que os pais tratem seus filhos com igualdade, que se ofereça respeito na mesma medida para todos os membros de uma família.


 O trecho abaixo estará no final do livro:


AGRADECIMENTOS E PENSAMENTOS

Ainda sobre a mitologia esteriana, ao criá-la eu quis passar uma teoria minha sobre a vida; em minha opinião os seres inteligentes são filhos da terra, devemos cuidar de nosso planeta e protegê-lo de nossa própria ganância e males que possam vir a destruí-lo.  Acredito que fomos plantados aqui por sementes cujas foram semeadas por um deus responsável, um que nos testa a cada momento, nos quer bem e nos guia nos momentos difíceis da vida.  A separação do joio e trigo: isso é real para mim. Os mortais vivem nesse mundo a provar suas bondades e maldades, que tipo de pessoas somos? Primeiro provaremos ao criador o nosso merecimento e a partir daí teremos a nossa glória, ou castigo...

A prova de que somos filhos da terra está em todos os lugares e até mesmo em nós, já pararam para pensar que todo tipo de remédio é extraído da terra? Todo medicamento usado em nosso corpo serve para dores especificas ou curas de ferimentos diversificados, algumas propriedades extraídas são mortais, outras milagrosas, mas todas saem da terra. O corpo humano contém traços de quase todo mineral terrestre; incluindo enxofre, potássio, zinco, cobre, ferro, alumínio, molibdênio, cromo, platina, bóro, silício, selênio, flúor, cloro, iodo, manganês, cobalto, lítio, estrôncio, chumbo, vanádio, arsênico, bromo e mais.

Não sou nenhum ateu, mas nunca acreditei em religião, para mim existe um Deus e ele é um ser eminente de poder e razão. Tudo é muito perfeito para ser por acaso, somos seres poderosos e decisivos aqui na terra, mas somos frágeis em espírito. O mal existe assim como o bem. Em meu livro Sobreviventes falei um pouco sobre essa minha teoria onde narro um apocalipse baseado na visão de João Batista; o profeta, acredito em duas etnias espirituais disputando almas mortais e domínios do Universo, de que lado estaremos nessa batalha só dependerá de nós mesmos. A mitologia esteriana narra um pouco da minha ideia; uma traição no paraíso celeste deu início a uma guerra espiritual e os mortais ganharam uma chance para se tornarem parte disto. Um demônio querendo destruir tudo e um deus querendo provar que a vida é o maior trunfo do Universo. Talvez eu esteja totalmente louco escrevendo isso, mas ainda assim creio que exista algo especial na humanidade e que nós somos os responsáveis pelo triunfo do deus soberano e somente os merecedores poderão estar ao seu lado no juízo final.

Essa história se inicia narrando fatos de um único homem. O leitor será levado a terras distantes, batalhas épicas, conquistas e glórias, fracassos e percas, mas por fim, um sentido trará lógica a o que foi narrado.  Os livros de Esteros não têm data para um desfecho, não há planejando para um final, creio que um dia estarei escrevendo sobre as batalhas entre os deuses e anjos mitológicos, em minha opinião de criador esse livro tem potencial e se tornará uma grande obra um dia.

Esteros foi publicado pela primeira vez em 2011 e desde então escutei muita coisa, opiniões e críticas, boas e ruins. A palavra plágio é uma das piores para um autor, sei que essa obra não é a mais original do mundo, mas quero ver um leitor me apontar um único escritor de fantasia que em VINTE anos tenha criado uma obra 100% original. Na fantasia não é mais possível criar algo inédito, bichos de todas as formas e tamanhos já foram criados e utilizados, tanto nos games quanto na literatura, então caros, repensem sobre isso. 

Por fim, agradeço a todos os leitores que leram meu livro, sei que ainda a muito que melhorar, mas quero que saibam que farei o possível para continuar escrevendo esse livro. Nós, os autores brasileiros não ganhamos dinheiro escrevendo e muitas vezes somos nossos próprios investidores e entusiastas, mas mesmo assim, estou disposto a continuar criando minhas histórias. Como autor sonho com o reconhecimento, mas também acredito que para tudo existe seu tempo. Aos leitores que gostaram dessa história peço apenas que continuem acompanhando os demais capítulos, que me cedam um pequeno espaço em suas estantes.

Obrigado!  Tenham dias felizes e juízo na cabeça.
 

2 comentários:

  1. Juciele Fonseca

    Gostei da sua atitude, de ter buscado melhorar sua escrita. Agora me interessei mais por As Crônicas de Esteros. A capa dele é muito linda e espero que o conteúdo faça jus a ela.

    Meu Filme virou Livro

  1. Maria

    li o primeiro livro ainda na club de autores e lendo esse prefácio consigo imaginar como as coisas são difíceis para vcs autores. Aldemir vc merece todo o sucesso pelo seu livro que é tudo de bom. quero ler a nova edição e comprarei autografado!

    beijinhos da Mah! **

Esteros livro digital